Aula de 31/08/1995 – O Pensamento como elemento genealógico da liberdade

Temas abordados nesta aula são aprofundados nos capítulos 3 (A Zeroidade); 12 (De Sade a Nietzsche); 13 (Arte e Forças); 18 (Proust, o Ponto de Vista ou a Essência) e 20 (Linha Reta do Tempo) do livro “Gilles Deleuze: A Grande Aventura do Pensamento”, de Claudio Ulpiano. Para pedir o livro, clique aqui.   Para gerar a ...

A repetição em Beckett e Deleuze

Quando perguntado acerca do que seria o estilo em literatura e em filosofia, Gilles Deleuze aponta em uma entrevista que os grandes estilistas teriam em comum o ato de: “cavar uma língua estrangeira na própria língua e levar toda a linguagem a uma espécie de limite musical” (1996, “S” de “Style”). Recorrendo a alguns dos ...

Aula de 24/08/1995 – A forma do falso

“Você está diante de uma personagem que é o tempo inteiro falsa. Ela quebra... quebra... Ela é falsa na forma, ela não é falsa no conteúdo. Ela não é falsa porque mente; não é falsa porque não quer ter relações sexuais com [Mateo]: ela é falsa enquanto forma - a forma da personagem é a forma da falsidade. (...) No caso de 'Esse obscuro objeto do desejo', enquanto conteúdo do filme, na verdade eu nem sei se aquela personagem mente - eu não sei...- porque ela é mentirosa na forma - não no conteúdo do filme. Então, o que quer, o Buñuel, ao colocar uma personagem falsa..., ao colocar uma narrativa falsa, ao introduzir uma narrativa falsa, ao introduzir uma personagem falsa... Ao fazer isso, ele introduz no cinema o falso - não no conteúdo, mas na forma do cinema - o cinema recebe o falso!”

Aula de 27/07/1995 – O sentimento, o afeto e a pulsão

“A fenda sináptica – ela é penetrada de luz. Então, eu vou dizer uma coisa muito violenta agora! A única maneira que nós temos para pensar é – se nós formos fendidos. A fissura é um componente essencial para o pensamento… porque – se você não fissura – você entra na banalidade do meio histórico; no comportamento banal.”

25 anos em Marienbad | por Cao Guimarães

"Tento reorganizar o caos, retenho a entidade presente em minhas entranhas pela ponta de meu dedo indicador que arbitrariamente aperta o “pause”, congelando o movimento, reinventando o filme, libertando minha memória do filme, deste filme-fantasma que dormia comigo tantas noites insones. Re-edito o filme à revelia..."

Aula de 26/07/1995 – O nascimento do tempo

“As impressões não se interpenetram. Elas são uma heterogeneidade de extinção. Aparece uma impressão, desaparece. Aparece outra. Aparece uma impressão, desaparece. Aparece, desaparece. Nas imagens, não. Nas imagens há a interpenetração. O que faz o espírito que contrai? Ele junta o que na natureza está separado”.

Navegue pelo conteúdo