A

Aula de O8/05/1995 – O designante, o designado e o referente

[A realidade é constituída de indivíduos:] este copo, este rádio, este livro, este lenço. Agora, melhorando pra vocês em termos lingüísticos: indivíduo é tudo aquilo que recebe na frente de seu nome um adjetivo demonstrativo. Então, se eu disser: esta cadeira, este copo, este livro - cadeira, livro e copo são indivíduos - por causa ...

A

Aula de 21/09/1995 – O voluntário e o involuntário ou o lógico, o ilógico e o alógico

(Início: Referência à "Cortina Escarlate", texto de Barbey d'Aurevilly, na aula anterior). Se eu por acaso fizer umas certas referências a... a não sei o quê... é porque não tenho exatamente o ponto em que eu deixei a última aula - não tenho! Não tenho a memória do ponto da última aula. Não é o ...

A

Aula de 21/09/1995 – O cinema do corpo: instante pleno e gestus

LADO A (...) dá o sentido de um amplo acontecimento - e a palavra acontecimento aqui está sendo usada na sua exata precisão terminológica, quer dizer - passado e futuro simultâneos. Então, no instante pleno, o que você tem é todo o acontecimento dado naquele instante. Diderot [deu o nome] de instante pleno... Brecht chama ...

A

Aula de 12/09/1995 – O atual e o virtual ou o objetivo, o subjetivo e o fora

A leitura de jornais ou dos textos sobre cinema dificilmente encontra alguma coisa que trate do que eu vou dizer aqui. E a falta de contato com temas do tipo [a ser exposto] torna [a nossa experimentação] difícil. É uma parte muita delicada... de um curso rápido, em que eu tenho que fazer as exposições ...

A

Aula de 31/08/1995 – O Pensamento como elemento genealógico da liberdade

Para gerar a linha deleuzeana de pensar eu vou, em primeiro lugar, me associar com a obra de Artaud –mas só enquanto Artaud está associado ao cinema. Em seguida, eu vou me associar com a obra do Platão –enquanto Platão está associado com as questões do pensamento. E para gerar o início desta aula e ...

A

Aula de 24/08/1995 – A forma do falso

[No filme] Esse obscuro objeto do desejo, de Louis Buñuel, Conchita é uma pessoa que se desdobra em duas personagens - no sentido de que ela tem duas personalidades - e se desdobra em duas atrizes. Então, a pessoa Conchita abre uma linha p'ra uma personagem e p'ra uma atriz; e ao mesmo tempo abre ...

Navegue pelo conteúdo