Tag: Henri Bergson

Aula de 24/08/1995 – A forma do falso

“Você está diante de uma personagem que é o tempo inteiro falsa. Ela quebra... quebra... Ela é falsa na forma, ela não é falsa no conteúdo. Ela não é falsa porque mente; não é falsa porque não quer ter relações sexuais com [Mateo]: ela é falsa enquanto forma - a forma da personagem é a forma da falsidade. (...) No caso de 'Esse obscuro objeto do desejo', enquanto conteúdo do filme, na verdade eu nem sei se aquela personagem mente - eu não sei...- porque ela é mentirosa na forma - não no conteúdo do filme. Então, o que quer, o Buñuel, ao colocar uma personagem falsa..., ao colocar uma narrativa falsa, ao introduzir uma narrativa falsa, ao introduzir uma personagem falsa... Ao fazer isso, ele introduz no cinema o falso - não no conteúdo, mas na forma do cinema - o cinema recebe o falso!”

Aula de 26/07/1995 – O nascimento do tempo

“As impressões não se interpenetram. Elas são uma heterogeneidade de extinção. Aparece uma impressão, desaparece. Aparece outra. Aparece uma impressão, desaparece. Aparece, desaparece. Nas imagens, não. Nas imagens há a interpenetração. O que faz o espírito que contrai? Ele junta o que na natureza está separado”.

Aula de 19/07/1995 – Plano de imanência: esse turbilhão de luz

“Existe um pintor inglês, chamado Turner, que é um pintor de marinhas. E ele começou sua vida como pintor pintando fragatas no porto, naus no porto, nas calmarias, na brisa das primaveras... e depois, na segunda fase dele, ele evoluiu ― ou involuiu ― para pintar essas naus e fragatas no interior de uma tempestade. E na terceira fase, ele faz desaparecer todos os objetos: só existe uma tempestade de luz dourada (era a tela que eu ia mostrar para vocês!) onde não se pode distinguir nenhuma coisa, nenhum objeto, não há nenhum objeto para se distinguir... Só há aquele turbilhão de luz... um fulgor de luz dourada. Esse turbilhão de luz, esse fulgor de luz dourada chama-se Plano de Imanência ― e é a Natureza na sua origem. É um fulgor de luz dourada.”

Pré-venda: “Gilles Deleuze: A Grande Aventura do Pensamento”, de Claudio Ulpiano

Prezados amigos e amigas do Acervo Claudio Ulpiano, Em função da grande procura pelo livro, estamos prorrogando o prazo de pedidos para todo o mês abril, sem comprometer o prazo já estabelecido para remessa dos exemplares até o dia 30/04. A tão aguardada reedição do livro “Gilles Deleuze: A Grande Aventura do Pensamento”, do professor ...

Aula de 21/03/1989 – O novo objeto da metafísica

"Nós temos atrás de nós um infinito de tempo. Nós temos, para frente de nós, outro infinito de tempo. Nós somos um pequenino fôlego entre dois infinitos. Isso é a vida: a vida é isso. Mas é exatamente esse pequenino fôlego - entre dois infinitos - que é capaz de pensar. Pensar, inclusive, esses dois infinitos!”

Aula 4 – 25/01/1995 – Movimento Aberrante

O que nós vamos verificar de originalíssimo na arte moderna, não importa qual – cinema, literatura, música – onde for, é a penetração nessa imagem afecção, onde – somente nela – existe o que se chama ritmo. Só há ritmo na imagem-afecção. Porque quando nós passamos para a imagem-ação, o ritmo não existe; existe a cadência.