Tag: Lucrécio

Trilogia Lucreciana (em áudio e transcrições) – Lucrécio e a ontologia da ilusão; Lucrécio e os falsos infinitos; Pensamento: Lucrécio e Espinoza

[Temas abordados nesta aula são aprofundados nos capítulos 2 (O Extra-Ser e a Similitude), 8 (As Singularidades Nômades), 12 (De Sade a Nietzsche), 15 (Ecceidade e Espinosa, o mais Poderoso dos Deleuzianos) e 20 (Linha Reta do Tempo) do livro "Gilles Deleuze: A Grande Aventura do Pensamento", de Claudio Ulpiano. Para pedir o livro, escreva ...

Aula de 20/08/1989 – Nietzsche: A Individuação e a identidade ou A conquista da diferença

"Então, nós vamos ser produzidos como indivíduos e regidos por uma identidade. E vamos lutar toda a nossa vida para garantir o indivíduo que nós somos e a individualidade que nós temos ― quando ser livre é uma conquista da diferença."

Aula de 08/08/1989 – Nietzsche: O Espírito de Vingança

“As paixões humanas não suportam a passagem do tempo, não suportam o processo, ou melhor, não suportam o sofrimento ― o sofrimento que a vida traz. Não suportando esse sofrimento, geram o mundo verdadeiro. Ultrapassam o tempo; e geram o mundo verdadeiro ― Nietzsche chama isso de “recusa à vida”. O pensador da verdade recusa a vida e busca um outro mundo: abandona aquilo que é, para procurar o que deveria ser. Ou seja: abandona o ser e procura o dever. Quer dizer: o pensador da verdade é moralista.”

Aula de 12/04/1989 – Acontecimento e sentido

“O acontecimento traz para o mundo o que o mundo não tem - porque o mundo é constituído de corpos e potências no presente. O acontecimento traz o futuro. O acontecimento é a chegada de uma nova dimensão do tempo.”

Aula de 21/03/1989 – O novo objeto da metafísica

"Nós temos atrás de nós um infinito de tempo. Nós temos, para frente de nós, outro infinito de tempo. Nós somos um pequenino fôlego entre dois infinitos. Isso é a vida: a vida é isso. Mas é exatamente esse pequenino fôlego - entre dois infinitos - que é capaz de pensar. Pensar, inclusive, esses dois infinitos!”

Aula 9 – 03/02/1995 – Personagem conceitual e personagem estético

O sujeito artista não tem a função de produzir nenhuma obra - a função do sujeito artista é quebrar o domínio que há sobre nós do sujeito pessoal. A arte... a arte é, antes de tudo, uma aventura existencial.